ESPÍRITOS DORMEM EM NOSSA CAMA, COMEM DA NOSSA COMIDA?

Chico Xavier foi instado para entrar em certa residência nos arredores de Pedro Leopoldo.
Os donos da casa, vivendo vida descuidada, sem oração e vigilância, desejavam conversar com o Médium.
O Chico atendeu-os. Read More

COMPREENSÃO DA VIDA

Vamos expor algumas das principais perguntas que todo espírita e espiritualista deveria refletir.

1 – Você compreende que você não é deste planeta e nem do mundo material, mas é um espírito eterno e infinito?

2 – Você compreende que um dia tudo aquilo pelo qual você lutou na sua vida atual, relacionado a bens, dinheiro, posses, patrimônio, etc, você vai perder?

3 – Você compreende que você pode morrer a qualquer momento, e não apenas quando for idoso(a)?

Read More

OS ESPÍRITOS QUE QUEREM SE COMUNICAR

De vez em quando, me chegam relatos semelhantes a este:

No outro dia, estava deitada em minha cama e senti nitidamente que o espírito de um parente me visitou. Senti também muito fortemente que ele deseja se comunicar comigo, me falar algo. O que será que ele quer me passar? Será algo importante?

Read More

QUEM É O OBSESSOR?

Muitas pessoas religiosas acreditam em espíritos malignos, demônios e obsessores.

Essas seriam entidades espirituais que podem nos prejudicar e sugar nossas energias.

No entanto, muitas vezes nós mesmos somos os obsessores das outras pessoas.

Read More

‘SIM, MINHA MÃE… SOU EU’

Maria, após o desencarne de Jesus, dedicou sua vida aos enfermos e aflitos, dos quais sempre a procuravam chamando de Mãe… “Minha mãe”, exclamou o recém-chegado, como tantos outros que recorriam ao seu carinho, “venho fazer-te companhia e receber a tua bênção”. Maternalmente, ela o convidou a entrar, impressionada com aquela voz que lhe inspirava profunda simpatia. O peregrino lhe falou do céu, confortando-a delicadamente. Comentou as bem-aventuranças divinas que aguardam a todos os devotados e sinceros filhos de Deus, dando a entender que lhe compreendia as mais ternas saudades do coração. Maria sentiu-se empolgada por tocante surpresa. Que mendigo seria aquele que lhe acalmava as dores secretas da alma saudosa, com bálsamos tão dulçorosos? Nenhum lhe surgira até então para dar; era sempre para pedir alguma coisa. No entanto, aquele viajante desconhecido lhe derramava no íntimo as mais santas consolações. Onde ouvira noutros tempos aquela voz meiga e carinhosa?! Que emoções eram aquelas que lhe faziam pulsar o coração de tanta carícia? Seus olhos se umedeceram de ventura, sem que conseguisse explicar a razão de sua terna emotividade.

Foi quando o hóspede anônimo lhe estendeu as mãos generosas e lhe falou com profundo acento de amor: “Minha mãe, vem aos meus braços!” Nesse instante, fitou as mãos nobres que se lhe ofereciam, num gesto da mais bela ternura. Tomada de comoção profunda, viu nelas duas chagas, como as que seu filho revelava na cruz e, instintivamente, dirigindo o olhar ansioso para os pés do peregrino amigo, divisou também aí as úlceras causadas pelos cravos do suplício. Não pôde mais. Compreendendo a visita amorosa que Deus lhe enviava ao coração, bradou com infinita alegria: “Meu filho! meu filho! as úlceras que te fizeram!…”

E precipitando-se para ele, como mãe carinhosa e desvelada, quis certificar-se, tocando a ferida que lhe fora produzida pelo último lançasso, perto do coração. Suas mãos ternas e solícitas o abraçaram na sombra visitada pelo luar, procurando sofregamente a úlcera que tantas lágrimas lhe provocaram ao carinho maternal. A chaga lateral também lá estava, sob a carícia de suas mãos.

Não conseguiu dominar o seu intenso júbilo. Num ímpeto de amor, fez um movimento para se ajoelhar. Queria abraçar-se aos pés do seu Jesus e osculá-los com ternura. Ele, porém, levantando-a, cercado de um halo de luz celestial, se lhe ajoelhou aos pés e, beijando-lhe as mãos, disse em carinhoso transporte: “Sim, minha mãe, sou eu!… Venho buscar-te, pois meu Pai quer que sejas no meu reino a Rainha dos Anjos.” Maria cambaleou, tomada de inexprimível ventura. Queria dizer da sua felicidade, manifestar seu agradecimento a Deus; mas o corpo como que se lhe paralisara, enquanto aos seus ouvidos chegavam os ecos suaves da saudação do Anjo, qual se a entoassem mil vozes cariciosas, por entre as harmonias do céu.

No outro dia, dois portadores humildes desciam a Éfeso, de onde regressaram com João, para assistir aos últimos instantes daquela que lhes era a devotada Mãe Santíssima.”

 

Livro: Boa nova
Médium: Chico Xavier
Espírito: Humberto de Campos.

 

QUANDO O CORPO MORRE, DEMORAMOS PARA NOS DESLIGAR?

Morte física e desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo morre quando o coração deixa de funcionar. O Espírito desencarna quando se completa o desligamento, o que demanda algumas horas ou alguns dias.

Basicamente o Espírito permanece ligado ao corpo enquanto são muito fortes nele as impressões da existência física.

Indivíduos materialistas, que fazem da jornada humana um fim em si, que não cogitam de objetivos superiores, que cultivam vícios e paixões, ficam retidos por mais tempo, até que a impregnação fluídica animalizada de que se revestem seja reduzida a níveis compatíveis com o desligamento.

Certamente os benfeitores espirituais podem fazê-lo de imediato, tão logo se dê o colapso do corpo. No entanto, não é aconselhável, porquanto o desencarnante teria dificuldades maiores para ajustar-se às realidades espirituais. O que aparentemente sugere um castigo para o indivíduo que não viveu existência condizente com os princípios da moral e da virtude, é apenas manifestação de misericórdia. Não obstante o constrangimento e as sensações desagradáveis que venha a enfrentar, na contemplação de seus despojes carnais em decomposição, tal circunstância é menos traumatizante do que o desligamento extemporâneo.


Há, a respeito da morte, concepções totalmente distanciadas da realidade. Quando alguém morre fulminado por um enfarte violento, costuma-se dizer:

“Que morte maravilhosa! Não sofreu nada!”

No entanto, é uma morte indesejável.

Falecendo em plena vitalidade, salvo se altamente espiritualizado, ele terá problemas de desligamento e adaptação, pois serão muito fortes nele as impressões e interesses relacionados com a existência física.

Se a causa da morte é o câncer, após prolongados sofrimentos, em dores atrozes, com o paciente definhando lentamente, decompondo-se em vida, fala-se:

“Que morte horrível! Quanto sofrimento!”

Paradoxalmente, é uma boa morte.

Doença prolongada é tratamento de beleza para o Espírito. As dores físicas atuam como inestimável recurso terapêutico, ajudando-o a superar as ilusões do Mundo, além de depurá-lo como válvulas de escoamento das impurezas morais. Destaque-se que o progressivo agravamento de sua condição torna o doente mais receptivo aos apelos da religião, aos benefícios da prece, às meditações sobre o destino humano. Por isso, quando a morte chega, ele está preparado e até a espera, sem apegos, sem temores.

Algo semelhante ocorre com as pessoas que desencarnam em idade avançada, cumpridos os prazos concedidos pela Providência Divina, e que mantiveram um comportamento disciplinado e virtuoso. Nelas a vida física extingue-se mansamente, como uma vela que bruxuleia e apaga, inteiramente gasta, proporcionando-lhes um retomo tranquilo, sem maiores percalços.

Livro: Quem tem medo da Morte – Richard Simonetti

 

 

A PÁSCOA

A Doutrina Espírita não comemora a Páscoa, ainda que acate os preceitos do Evangelho de Jesus, o guia e modelo que Deus nos concedeu. Read More

NASCIMENTO E MORTE

Quando uma pessoa nasce no mundo material, ela deixa no mundo espiritual seus amigos e irmãos de alma. Esses espíritos sentem muita saudade de seu afeto que partiu numa nova e grande jornada dentro do reino da matéria. Read More

VOCÊ É UMA PESSOA POSITIVA?

7 dicas poderosas para você se tornar mais positivo.

É sempre bom estar em torno de pessoas positivas, elas nos inspiram, nos motivam com o seu comportamento alegre, nos ajudam a ver o bem nos outros e as bênçãos nas situações difíceis. Read More

NA HORA DO ADEUS

Não existe nada que se possa comparar com a surpresa da continuidade da vida.

Ainda hoje, passados mais de quarenta anos da hora do meu adeus, Read More